Ser Brasil

BLOG SERBRASIL

Ser Brasilitária é ter a coragem de encontrar o Fio da Meada
Quem lê o mundo e o modo como se organiza, Ouve (através de encontros e conversas) e Vê de maneira aberta e sem pré-conceitos nunca está sozinho.

Ser Brasilitária é acreditar em primeiro lugar em si, nos seus sonhos, empreender e saber que logo ali, encontrará um mundo de possibilidades. Basta ousar e lançar-se ao mundo, saindo de trás dos muros, ir para rua, conversar com todos, seguir caminhos diferentes, trilhas incomuns, sinais, rumores e acima de tudo usar a intuição do que vem a ser a sua maior vocação. Descubra-se. Dispa-se de egos e vaidades. Disponha-se a ser um “pontinho” ligando-se a um outro e formando a grande rede do conhecimento solidário.

Flavia Wass Jornalista e idealizadora do projeto Brasilitária: O Fio da Meada É Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir.

Encontre o seu!


"A linguagem não é um simples acompanhante, mas um fio profundamente tecido na trama do pensamento." Linguista Dinamarques Louis Hjelmslev

APOIOS


Ajudando a tecer

Encontre o Fio da Meada: Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir forma indivíduos que reconhecerão as suas raízes, essências e organiza futuros empreendedores do seu saber. Contamos com apoios, parcerias e patrocínio de empresas empenhadas e comprometidas com a responsabilidade social e mais: é primordial, que contenham em sua filosofia empresarial paradigmas relacionados ao bem-estar humano, a alegria, a informação, a nossa origem brasileira, um significado e, acima de tudo, valorizando o que temos de melhor no País, o ser humano!

Formando a Teia para o Entusiasmo na caminhada

O projeto Fio da Meada: Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir busca atender a formação dos futuros trabalhadores, empreendedores, criativos seres humanos, preparados para um novo mundo de oportunidades, pois segundo pesquisa realizada, isolados em instituições de ensino e preocupados com o "sucesso" individual, estão desconectados da realidade coletiva, colaborativa e solidária.


"Se pode dar somente um presente ao teu filho, que seja o entusiasmo." Bruce Barton

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Que o amanhã seja doce




Resenha Um Brasileiro em Berlim de João Ubaldo Ribeiro

Por Flavia Wass jornalista

               “Ele não sabe o que quer dizer amanhã...”, desta forma João Ubaldo Ribeiro simplifica o que significa ser um “estranho” em outra terra, ou seja, ficamos diferentes e nos sentimos esquisitos longe daquela terra em que nascemos e ilusão ou não, temos a esperança de saber onde estamos pisando. Começa demonstrando isso, por exemplo, irritando-se com a quantidade “exasperante” de preposições na língua alemã ou ao menos, no Brasil estas passam desapercebidas ou despercebidas? Vejam como no português essas duas palavras que parecem ser sinônimos não o são: a primeira é desprovida e a segunda distraída! E o modo de um e outro País encarar a vida? Como podem os alemães ter tanta certeza de tudo, enquanto os brasileiros não sabem o que farão na próxima meia-hora? Talvez seja aquela facilidade filosófica continua João Ubaldo sua reflexão, tudo se resumir nisso, o “devenir” humano e a tal “imanência do ser”, que aquele povo gosta de intelectualizar “mentindo” a respeito das leituras universitárias. Batalhas à parte, seu conselho e recado fica bem claro: When in Roma do as the Romans do e avança dizendo ser uma atitude que cabe para todas as línguas. Respeito à cultura alheia! A verdadeira empatia de tentar colocar-se no lugar do outro, no corpo do outro e ler a mente desse outro que não sou exclusivamente “Eu”. Seguro em terra firme e no aconchego do “meu” conforto.  O que é “amanhã” em português  está longe de ser o “amanhã” berlinense, italiano, africano, americano, coreano, libanês, palestinense israelense, português, mexicano, angolano onde seja a Cochinchina escolhida para ser ou estar. Pois, no Brasil este amanhã pode nunca chegar ou vir a acontecer por que estamos muito ocupados vivendo o hoje. E como questiona Ubaldo: - Como alguém pode marcar alguma coisa com tanta precisão e antecedência, esses alemães são uns loucos. E aí que quem viaja ou viajou e ficou por um tempo grande em outra cultura sente sempre e ininterruptamente, aquela “saudades” do Brasil, dois contextos intraduzíveis (Brasil e saudades) em qualquer outra língua.