Ser Brasil

BLOG SERBRASIL

Ser Brasilitária é ter a coragem de encontrar o Fio da Meada
Quem lê o mundo e o modo como se organiza, Ouve (através de encontros e conversas) e Vê de maneira aberta e sem pré-conceitos nunca está sozinho.

Ser Brasilitária é acreditar em primeiro lugar em si, nos seus sonhos, empreender e saber que logo ali, encontrará um mundo de possibilidades. Basta ousar e lançar-se ao mundo, saindo de trás dos muros, ir para rua, conversar com todos, seguir caminhos diferentes, trilhas incomuns, sinais, rumores e acima de tudo usar a intuição do que vem a ser a sua maior vocação. Descubra-se. Dispa-se de egos e vaidades. Disponha-se a ser um “pontinho” ligando-se a um outro e formando a grande rede do conhecimento solidário.

Flavia Wass Jornalista e idealizadora do projeto Brasilitária: O Fio da Meada É Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir.

Encontre o seu!


"A linguagem não é um simples acompanhante, mas um fio profundamente tecido na trama do pensamento." Linguista Dinamarques Louis Hjelmslev

APOIOS


Ajudando a tecer

Encontre o Fio da Meada: Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir forma indivíduos que reconhecerão as suas raízes, essências e organiza futuros empreendedores do seu saber. Contamos com apoios, parcerias e patrocínio de empresas empenhadas e comprometidas com a responsabilidade social e mais: é primordial, que contenham em sua filosofia empresarial paradigmas relacionados ao bem-estar humano, a alegria, a informação, a nossa origem brasileira, um significado e, acima de tudo, valorizando o que temos de melhor no País, o ser humano!

Formando a Teia para o Entusiasmo na caminhada

O projeto Fio da Meada: Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir busca atender a formação dos futuros trabalhadores, empreendedores, criativos seres humanos, preparados para um novo mundo de oportunidades, pois segundo pesquisa realizada, isolados em instituições de ensino e preocupados com o "sucesso" individual, estão desconectados da realidade coletiva, colaborativa e solidária.


"Se pode dar somente um presente ao teu filho, que seja o entusiasmo." Bruce Barton

domingo, 19 de março de 2017

Em defesa desse ponto



Resenha Livro Legitima Defesa Livro Lucia Sotero
Por Flavia Wass Jornalista
Em defesa desse ponto
A história de Julia é também, das infindáveis mulheres invisíveis, que passam todos os dias onde fazemos a feira, ou no mercado mais próximo, atravessam a rua raspando seus braços ou cotovelos por toda gente. Espreitam a esperança de quem sabe, aquele alguém mais sensível, o ser atento, solidário possa entender ou intuir um pedido de socorro através do olhar ou outros sinais como excesso de nervosismo, choros fora de hora, irritação, um olho roxo, hematomas pelo corpo e desleixo com a aparência evidenciem seu pedido de socorro. Aí está o ponto! Quem quer saber se as Julias, Marias, Jaquelines, Odetes, Sofias e muitas milhares, desesperadas estão multiplicando-se a cada segundo ou sofrendo nas mãos de seus maridos ou “companheiros psicopatas”, que matam por motivos sórdidos em nome da “Legitima defesa da honra”? O livro Legitima Defesa de Lucia Sotero, editado pela Chiado, acima de tudo é uma denúncia e conta a saga de Julia Grosberg em meados dos anos sessenta. Chama atenção, por continuar atualíssimo, salvo que, agora se fala mais e sem pudores sobre a cultura do machismo. Além disso, hoje surgem diversos termos em defesa do feminino e feminismo alavancando o desnudamento dos absurdos vindos em enxurradas por todos os lados. De estupros coletivos a mal tratos escancarados sem escolher credo ou classe.
Em Legítima Defesa era no início da liberação feminina, acesso à pílula e a opção do sexo antes do casamento, que ainda podia ser motivo de pré-conceito e discriminação masculina. Elas apareciam mortas e a lei os legitimava. Porém, o enredo dessa narrativa conta com mulheres fortes. Desde a investigativa e astuta jornalista Bruna, a corajosa e destemida Julia, a qual não mede esforços, mulher leoa, daquelas incansáveis em defesa dos filhos e da própria felicidade. Capaz de atravessar os oceanos, mudar de vida, trocar de identidade, simular a morte, abrir mão de tudo e recomeçar. Culminando com as mulheres fundadoras da associação clandestina As Marias, pois estavam sempre alertas, armadas literal e de corpo presente, ajudando nas fugas e fornecendo as armas indispensáveis no plano contra a famosa legítima defesa, a qual, eles alegavam depois de matá-las. E, em defesa própria, a fuga era consumada de forma perfeita, através das Marias. Começaram com um caso e outro e os grupos foram organizados por todo Brasil. A questão central é: “hoje aprenderemos um novo ponto”, código usado no telefone ao marcarem suas reuniões para salvar mais uma mulher subjugada, presa, escravizada, psicologicamente torturada, ameaçada de morte quando não morta por seus homens, que chegaram de mansinho, oferecendo flores e uma vida de rainha. Qual ponto dessa antiga história será necessário desenhar, anunciar, denunciar, gritar, esbravejar às iniciativas públicas? Essas, com toda certeza, deveriam ser responsáveis pelas campanhas, por informação e educação, uma formação em prol de uma sociedade igualitária e justa. Nesse ponto, avançamos pouco, apesar da lei Maria da Penha, continuamos desguarnecidas na grande maioria das cidades do interior brasileiro e nossas autoridades muito aquém do que precisamos.