Ser Brasil

BLOG SERBRASIL

Ser Brasilitária é ter a coragem de encontrar o Fio da Meada
Quem lê o mundo e o modo como se organiza, Ouve (através de encontros e conversas) e Vê de maneira aberta e sem pré-conceitos nunca está sozinho.

Ser Brasilitária é acreditar em primeiro lugar em si, nos seus sonhos, empreender e saber que logo ali, encontrará um mundo de possibilidades. Basta ousar e lançar-se ao mundo, saindo de trás dos muros, ir para rua, conversar com todos, seguir caminhos diferentes, trilhas incomuns, sinais, rumores e acima de tudo usar a intuição do que vem a ser a sua maior vocação. Descubra-se. Dispa-se de egos e vaidades. Disponha-se a ser um “pontinho” ligando-se a um outro e formando a grande rede do conhecimento solidário.

Flavia Wass Jornalista e idealizadora do projeto Brasilitária: O Fio da Meada É Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir.

Encontre o seu!


"A linguagem não é um simples acompanhante, mas um fio profundamente tecido na trama do pensamento." Linguista Dinamarques Louis Hjelmslev

APOIOS


Ajudando a tecer

Encontre o Fio da Meada: Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir forma indivíduos que reconhecerão as suas raízes, essências e organiza futuros empreendedores do seu saber. Contamos com apoios, parcerias e patrocínio de empresas empenhadas e comprometidas com a responsabilidade social e mais: é primordial, que contenham em sua filosofia empresarial paradigmas relacionados ao bem-estar humano, a alegria, a informação, a nossa origem brasileira, um significado e, acima de tudo, valorizando o que temos de melhor no País, o ser humano!

Formando a Teia para o Entusiasmo na caminhada

O projeto Fio da Meada: Um Jeito Brasil de Ler, Ver e Ouvir busca atender a formação dos futuros trabalhadores, empreendedores, criativos seres humanos, preparados para um novo mundo de oportunidades, pois segundo pesquisa realizada, isolados em instituições de ensino e preocupados com o "sucesso" individual, estão desconectados da realidade coletiva, colaborativa e solidária.


"Se pode dar somente um presente ao teu filho, que seja o entusiasmo." Bruce Barton

sábado, 29 de maio de 2010

A Matilha


Fácil inexistia!Eis o primeiro mundo.
O segundo acontecia ao pisar o pé na Rua.Dois mundos, duas escolas e uma vida.
A cada passo, esquina, quilômetro percorrido do lado de fora encontrei uma mão estendida, um olhar fraterno, um abraço amigo e o solidário desconhecido oferecendo abrigo, comida e afeto despretencioso e dispreendido de interesses mesquinhos.A obra de Vitor Hugo “Os Miseráveis” passada à limpo.Parecia uma loba do livro de Clarice Pikolas correndo com os lobos e procurando minha matilha.Falar que não fiz amigos no primeiro mundo seria mentira e calunia, pois tive alguns e de extrema lealdade. Em comparação, ser segunda mundista ou terceira, nas ruas....é fazer pós e receber títulos secretos assinados por doutores capazes em curar uma espécie perdida e ocupada com a tecnologia, o progresso, seu metro quadrado, a novela, a moda, os templos do consumo, seus brinquedos e sua empáfia trancada nas meias verdades feito pêndulos hora de um lado ou de outro, conforme convém, aos seus bolsos.
Nestes cinco anos, desde o segundo de instante, porque o primeiro respirei fundo, aceitar o convite e fazer parte desta privilegiada equipe,cujo acompanhei abraçada na humildade, disfarcei minha impetuosidade,treinei a resignação de algumas inevitáveis relevantes mudanças. Contribuí apreendendo novos atributos substituindo a ansiedade egoísta sendo mais altruísta e colaborativa, corroborei com minhas intuitivas visões na área da arte e comunicação.
Coinscidência ou destino,o interessante é ter a sensação de estar no lugar certo e na hora exata.